domingo, 18 de outubro de 2009

Helder Sousa: opinião sobre Que Cavalos São Aqueles Que Fazem Sombra No Mar?


Este novo livro retrata uma família em decadência, proprietária de uma quinta no Ribatejo onde se criam cavalos. Assim se pode resumir este livro que segundo as palavras do autor “queria fazer um romance à maneira clássica, que destruísse todos os romances feitos desse modo”. Se destrói ou não, parece-me um pouco prematuro dizer, mas podemos afirmar ser um clássico, se tivermos em conta a sua obra literária. Logo nas primeiras páginas podemos perceber que as personagens não nomeadas, facto que ajuda a leitura e compreensão da narrativa. Temos a Beatriz, a filha que engravida e vê-se obrigada a casar, o Francisco, o futuro herdeiro da “fortuna” da família, o João, que vai ao encontro de criancinhas no Parque Eduardo VII, a Ana, que se vê desaparecer ao sabor das seringas, a Rita, que morre prematuramente de cancro, a mãe que se encontra em situação terminal, o pai, viciado na roleta onde vai apostando a sua fortuna incessantemente no número 17 e a empregada Mercília, conhecedora dos segredos da família. Para o fim do livro é-nos dado a conhecer um novo personagem, um filho bastardo que é escondido de toda a gente cujo nome não chega a ser revelado.

Neste livro as vozes destas personagens vão surgindo ao longo dos capítulos divididos em 7 partes: “Antes da Corrida”, “Tércio de Capote”, “Tércio de Varas”, “Tércio de Bandarilhas”, “A Faena”, “A Sorte Suprema”, “Depois da Corrida”, cuja estrutura corresponde a uma corrida de toiros. Por entre estas vozes surge de vez em quando o autor narrador que se intromete pelo meio como que a mostrar-se presente, sugerindo não ser ele que de facto escreve mas as vozes que o anjo lhe dita. Da mesma forma que as próprias personagens a certa altura não sabem se são reais ou meramente fantoches manuseados pelo autor narrador. Parece que cada vez mais nos revela o seu processo de escrita, mostra-nos os erros, as contradições, as suas anotações, expõem-nos as suas próprias dúvidas. Não trata o leitor por estúpido e ao apresentar-se desta forma mostra-nos a nós próprios, os nossos diálogos interiores com a consciência, a dada altura nós somos as próprias personagens. Assim como Beckett construía a partir do nada, do corpo vazio, a escrita de Lobo Antunes surge-nos a partir do silêncio, do escuro e faz-nos permanecer nele. Deixa-nos um vazio cá dentro que nos impede de continuar a leitura até conseguirmos nos encontrar de novo. Retrata-nos nos momentos de solidão, de silêncio, do escuro, a vida no seu estado puro. Mente, brinca e leva-nos ao sabor das palavras.


por Helder Sousa
16.10.2009

Sem comentários: