sábado, 5 de janeiro de 2013

Paula, do blog Viajar pela leitura: opinião sobre Não É Meia Noite Quem Quer

Ler Lobo Antunes e ler este livro foi uma estreia em grande. Em grande, porque não conhecendo a restante obra do autor não sei se a sua escrita segue o mesmo estilo ou se é diferente. O que sei é que esta obra não segue os parâmetros que estamos (estou) acostumados.

Não é uma leitura fácil, eu diria até que bastante difícil. Uma escrita propositadamente confusa, onde os pensamentos sobrepõem-se às recordações, onde as palavras somam umas a seguir às outras, muitas vezes sem ligação entre si, mas espantosamente com um objectivo lógico!

Ao longo da leitura vamos conhecendo personagens ímpares e que poderiam ter existido no nosso tempo real… o sofrimento vivido por estes e as acções que desenvolvem não nos são estranhas.

A narrativa dá-nos a conhecer uma mulher adulta que visita a casa onde passou a sua infância e todo o sofrimento de que foi alvo. Sofrimento este que segurou toda a sua vida como se fosse algo importante até que uma questão se impôs: continuar a sofrer ou terminar com o sofrimento?

A perda de alguém próximo e querido – um irmão – é algo tão doloroso que transforma tudo à sua volta, a casa, os objectos, as relações e não transforma somente a infância, mas toda a vida. Um sofrimento que é um cancro, tal como o cancro que teve no peito. Uma vida mesclada pela dor e pela desgraça que teima em permanecer.

É de saudade e tristeza que esta história é feita, saudade de um passado – de o (re)viver, de o alterar – um ruminar de recordações amargas, onde somente a morte colocará um ponto final!

Gostei muito desta leitura, é sem dúvida uma escrita diferente, impõe atenção, reflexão, pode até causar algum cansaço devido à sua estrutura, é um desafio constante (no bom sentido).

Excelente, no entanto recomendo a leitura com algumas reservas pelas razões que apresentei!


Paula
01.12.2012
... viajar pela leitura

Sem comentários: